Publicidade e Comunicação Estratégica em Brasília | (61) 3563-7690

Como as marcas aproveitaram De Volta Para o Futuro 2

Homecampanha publicitáriaComo as marcas aproveitaram De Volta Para o Futuro 2
De Volta Para o Futuro 2. No segundo filme da saga, Marty chega no futuro no dia 21 de outubro de 2015. A data finalmente chegou e diversas marcas prestaram suas homenagens e criaram ações.

De Volta Para o Futuro 2. No segundo filme da saga, Marty chega no futuro no dia 21 de outubro de 2015. A data finalmente chegou e diversas marcas prestaram suas homenagens e criaram ações.

Muitas marcas deram as caras no filme “De Volta Para o Futuro 2”, de 1989: Pepsi, Black & Decker, Nike, USA Today, Texaco. Algumas foram atrás de criar, na vida real, o que o filme já tinha inventado para elas. Por exemplo, o tênis que se ajusta no pé da Nike. Outras, esperaram a icônica data de 21 de outubro de 2015 para fazer alguma ação ou homenagem.

A data marca o dia no qual o protagonista do filme “De volta para o futuro 2” desembarca 30 anos adiante do seu tempo, graças à invenção de um cientista maluco. No distante 2015, ele encontra um mundo repleto de transformações e modernidades, em uma especulação clichê – e irresistível –  a respeito do futuro. Entre tanta coisa dita e publicada a respeito do filme, uma, particularmente, interessa ao marketing: a de que já existiriam condições tecnológicas para que algumas das invenções da ficção ganhassem as ruas – caso notadamente do skate voador, símbolo da modernidade encontrada no futuro pelo personagem principal.

A questão que inevitavelmente aparece nessas horas é: se há tecnologia para disponibilizar um produto, por que então não fabricá-lo em escala comercial?

Ora, porque disponibilidade tecnológica é apenas um dos elementos necessários para tornar um produto viável. Condições econômicas de fabricá-lo a preços suportáveis pelo consumidor, bem como interesse do próprio consumidor na novidade, são os outros fatores a se observar. E, aparentemente, se de fato existe tecnologia para o tal skate, é bastante provável que ela não seja economicamente viável, pelo menos não agora.

Além disso, o tal skate voador constituiria uma invenção radical, uma inovação como poucas. Mesmo que despertasse o desejo dos consumidores, exigiria uma adaptação do fluxo de pedestres nas grandes cidades. Se em alguns lugares caminhar já é uma aventura e tanto, sujeita a ultrapassagens, esbarrões e encontrões, inserir uma engenhoca com a qual os seres humanos não têm qualquer familiaridade poderia tornar-se fonte de trapalhadas e acidentes. Bem menos inovador que o fantasioso skate, o Segway nunca cumpriu a promessa revolucionária na qual veio embalado justamente por exigir mudanças comportamentais e de infraestrutura (calçadas perfeitamente planas, locais para estacioná-los ou guardá-los) nas quais ninguém se dispôs a investir.

Ainda assim, caso alguém tivesse a ousadia de colocar o skate voador no mercado, arriscaria dizer que não se sairia melhor do que um seguidor que esperasse para lançá-lo anos depois, quando não só a tecnologia estivesse mais madura, como também o aprendizado do consumidor com o produto original já oferecesse insights para adaptações e melhorias. Não é preciso visitar o futuro para saber que não vale a pena correr certos riscos, e esse, ao que tudo indica, é um deles. Basta observar o passado.

Ford

A Ford criou um comercial de mentira que apresenta o Capacitor de Fluxo nos carros da marca. É a invenção do Doutor Brown que permite a viagem no tempo

Lexus

No filme, Marty, um ótimo skatista, descobre que no futuro há skates que voam, os hover boards. Pois a Lexus criou um protótipo bem interessante.

Pepsi

No filme, Marty bebe uma Pepsi que sai de dentro da mesa, envolta em uma cápsula. A Pepsi resolveu lançar uma garrafa comemorativa, em edição limitada, do produto.

UBER e PEPSI

Nike

No futuro do filme, as roupas e os sapatos são inteligentes e se ajustam ao corpo e aos pés. O tênis que Marty usa é um Nike. Em 2012, a marca criou uma versão especial desse tênis, mas igual apenas no design. A companhia, desde então, promete tentar criar algo parecido até 2015.

Toyota

No fim do primeiro filme, um caminhão Toyota aparece. A marca resolveu aproveitar a referência. Eles criaram um vídeo que reúne os atores Michael J. Fox e Christopher Lloyd. O comercial apresenta o Toyota Mirai, movido a hidrogênio.

Universal Studios

No filme, o produtor Steven Spielberg resolveu tirar sarro dele mesmo: colocou um cinema passando “Tubarão 19” em 3D. O Universal Studios criou um vídeo que mostra o que foi cada um da longa lista de filmes “Jaws”.

 

Written by

Olá sou o CEO & Co-Founder da Agência Carcará de Publicidade em Brasília e sócio do CEO, Diretor de Criação & Co-Founder Raul Evaristo A Agência Carcará figura entre as mais importantes do DF e Brasilia. O foco da Carcará é o de promover e fidelizar a sua marca levando sua empresa a ter sucesso em Brasília e no Distrito Federal, por meio de gestão de campanhas publicitárias eficientes. Visite nosso perfil no Google Plus.