Fale conosco | (61) 3563-7690 e (61) 98445-9090 (ligue no móvel durante quarentena)

Empresários investem em serviço de retirada de pedidos para manter os negócios

HomeAgência de Marketing Digital BrasíliaEmpresários investem em serviço de retirada de pedidos para manter os negócios
Após o Governo do Distrito Federal (GDF) ordenar medidas mais restritivas contra a covid-19 devido à alta ocupação de leitos e aos números de casos e mortes, donos de restaurantes, bares e lojas de shopping mudam a forma de atendimento para atrair a clientela

Após o Governo do Distrito Federal (GDF) ordenar medidas mais restritivas contra a covid-19 devido à alta ocupação de leitos e aos números de casos e mortes, donos de restaurantes, bares e lojas de shopping mudam a forma de atendimento para atrair a clientela

Com as medidas restritivas impostas pelo governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), em 28 de fevereiro, por 15 dias, comerciantes e shoppings têm investido em atendimento e entrega de produtos por take-out e drive-thru. Diante da proibição de circulação de clientes dentro das lojas, alguns empresários driblam a crise com promoções, kits e retirada da venda por aplicativo.

Um dos empresários que traçou alternativas para atender os clientes nessas condições é Eduardo Camargo, 49 anos, à frente do operacional do Dudu Bar, na 303 Sul. Ele conta que criou o PF do Dudu, com um prato feito para cada dia da semana. Na compra, o cliente ganha um desconto de 20% caso opte por pegar o pedido na loja. “O prato custa R$ 35, no take-out, para quem optar pela retirada. Não acredito que nenhuma atitude que tomemos, em nível de delivery, por exemplo, consiga recuperar a venda com a casa aberta. Vamos supor que vendo R$ 100 mil em uma semana com a casa aberta. Por aplicativo, vou receber R$ 70 mil, porque 30% é deles”, explica o chef de cozinha.

Após o Governo do Distrito Federal (GDF) ordenar medidas mais restritivas contra a covid-19 devido à alta ocupação de leitos e aos números de casos e mortes, donos de restaurantes, bares e lojas de shopping mudam a forma de atendimento para atrair a clientela

No caso de shoppings, as lojas adotaram sistemas específicos, com regras para take-out definidas pelos próprios responsáveis dos estabelecimentos.

O restaurante Mayer Sabores do Brasil, na 116 Sul, que leva o nome da empresária Keli Mayer, 45 anos, é outro que tem investido no take-out de produtos. Ela reconhece que o maior cuidado, neste momento, é com a limpeza da mercadoria. “A questão é que existem duas realidades, quando a pessoa recebe uma comida embalada e quando vai à loja. Por isso, tomei muito cuidado na questão do transporte das embalagens” ressalta. “O cliente pode comprar porções para levar para casa e escolher os acompanhamentos. Fiz um risoto da chefe, que vou mandar três tipos de opções: camarão, cogumelos e filé mignon com queijo gorgonzola, por exemplo”, conta Keli.

Estratégias

Após o Governo do Distrito Federal (GDF) ordenar medidas mais restritivas contra a covid-19 devido à alta ocupação de leitos e aos números de casos e mortes, donos de restaurantes, bares e lojas de shopping mudam a forma de atendimento para atrair a clientela

À frente do restaurante Sabor dos Sertões há 14 anos, Sergio Gonçalves, 53, vende marmitas por take-out. Com o preço entre R$ 18 e R$ 40, ele começa a servir a clientela às 11h até as 15h. “Trabalhamos com um tipo de carne para cada marmita, o que varia o preço da embalagem. Vendo mais o bife acebolado, estrogonofe de frango e peito de frango. Para facilitar as vendas, temos uma lista de contatos no WhatsApp com clientes mais próximos. Aí mandamos o cardápio logo cedo, preparamos os produtos e deixamos no balcão para buscarem”, detalha.

A proprietária da Gentil Café, Pausa & Prosa, na 410 Sul, Cristine Gentil, está funcionando com horário reduzido, das 12h às 19h, de segunda a sexta-feira, e no sábado, das 10h às 19h. “Colocamos 10% de desconto em todo o cardápio para take-out, do cafezinho aos pratos de almoço. Se a pessoa combinar uma sobremesa, bebida e um prato de almoço, aumentamos o desconto para 15%. Além disso, temos um cardápio de encomendas”, detalha Cristine.

» Palavra de especialista

Retirada de produtos veio para ficar

O lockdown é uma realidade que vai ficar a curto prazo, tendo em vista dados epidemiológicos que temos. A situação afeta todas as áreas da economia, inclusive bares e restaurantes. Só que esses comércios e outros serviços de lazer têm uma característica diferente de outros setores: a recuperação deles é em V — em que há uma grande queda no faturamento e a volta rápida, no patamar de antes. No caso de bares e restaurantes, pode ser até maior. Isso porque as pessoas vão ficando dentro de casa e vão criando uma demanda por lazer, por diversão para quando a pandemia passar. Mas, neste período de isolamento social, os empresários estão buscando alternativas para continuar vendendo. Uma delas é o take-out. Esse formato é extremamente interessante e muito usado em países do hemisfério norte, pois lá a população tem o hábito de fazer as refeições em praça públicas e outros espaços da rua. É muito vantajoso para ambas as partes. No delivery, o consumidor fica muito tempo esperando. Como todos os restaurantes estão trabalhando nesse sistema, sobrecarrega o serviço de entrega e prolonga a espera das pessoas. O take-out pode ser mais interessante, porque reduz o custo de motoboys, gasolina e terceirização de serviços.

Benito Salomão, economista

Luta por flexibilização

Após o Governo do Distrito Federal (GDF) ordenar medidas mais restritivas contra a covid-19 devido à alta ocupação de leitos e aos números de casos e mortes, donos de restaurantes, bares e lojas de shopping mudam a forma de atendimento para atrair a clientela

Para o novo presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal (Fecomércio-DF), José Aparecido, eleito na sexta-feira, serviços de atendimento ao cliente, como o take-out e drive-thru, tornam-se uma boa opção para as pessoas com comorbidades evitarem o contato direto com os vendedores. “O serviço de drive-thru virou moda na pandemia. E claro que auxilia as pessoas que têm restrição de sair de casa, além do lado econômico. Virou uma opção fantástica para os grupos de risco. O serviço de take-out também, sem contar com toda a higienização dos produtos”, analisa.

Aparecido adiantou que conversará com presidentes de sindicatos associados à federação para elaborar proposta de novas medidas de segurança que flexibilizem os protocolos de segurança contra a covid-19. A intenção é apresentar a proposta ao Governo do Distrito Federal (GDF) nesta semana. “Estamos com uma segunda onda e temos de intensificar esse serviço para evitar que piore ainda mais a situação. Tenho reunião com vários sindicatos da federação nesta segunda-feira e vou pegar todas as sugestões para verificar como o governo pode avaliar. Estamos discutindo algumas medidas de segurança para levar ao governo e ver se conseguimos, gradativamente, abrir o comércio”, conclui.

Fonte: Correio Web

Veja o que podemos fazer para melhor o branding e o posicionamento da sua marca no atual e competitivo mercado! Clique aqui e conheça nosso portfólio de projetos de comunicação!

Política de privacidade

Conheça nossos canais sociaisInstagramFacebook e Youtube

Written by

Olá sou Alexandre Augusto sócio da Agência Carcará de Publicidade em Brasília em conjunto com meu sócio e Diretor de Criação Raul Evaristo.  Desde 2013 a Agência Carcará figura entre as mais importantes empresas de propaganda e marketing digital no DF e em Brasília. O foco da Carcará é o de promover e fidelizar a sua marca levando sua empresa a ter sucesso em Brasília e no Distrito Federal, por meio de gestão de campanhas publicitárias (com as de matrícula escolar) eficientes isso sem falar na Gestão de SEO e desenvolvimento de sites, além da criação de Vídeos Promocionais. Conheça nossos canais sociaisInstagramFacebook e Youtube